quinta-feira, 19 de abril de 2018

O AMOR EDIFICA



O amor edifica. Palavra transposta que nos foi emprestada de um outro meio. Aquele que edifica constrói, mas não basta construir para edificar. Um homem que aumenta de um cômodo sua casa não propriamente a edifica. Tal termo parece, em nosso senso comum, mais construir para cima que apenas acrescentar. Se alguém, porém constrói uma casa baixinha, mas sobre um fundamento, dizemos que este edifica uma casa. Edificar parece ser, assim, “construir para o alto a partir de fundações”. (As obras do amor – Soren A. Kierkgaard). Implica que o trabalho seja feito desde o fundamento.                
E qual seria o fundamento, a base em que edificamos o amor no outro? Ora, o próprio amor! Aquele que ama, mesmo sem saber,  pressupõe que o amor esteja no coração da outra pessoa, e justamente por esta pressuposição edifica nela o amor, a partir da fundação. O amor edifica ao pressupor que o próprio amor esteja presente. E se tal amor não pode estar completamente presente em homem algum, é justamente por isso que se permite edificar. Há, porém, que se ter fundamento. Talvez por isso a Escritura diz ter o imprudente construído sem pôr as fundações. O homem, porém que escuta a Palavra e a põe em prática é semelhante àquele que construiu uma casa, mas “antes cavou bem”.

Não há nada que se possa fazer que seja essencialmente edificante nem tampouco alguma palavra dita que carregue consigo o poder de edificar. “Cada ser humano, pela sua vida, por seu comportamento, sua conduta diária, seu trato com seus iguais, suas palavras e suas expressões, deveria e poderia edificar, e o faria se o amor estivesse realmente presente nele.” Isto porque é a edificação exclusivamente característica

quinta-feira, 29 de março de 2018

Porque atraímos as pessoas erradas!!

Em algum momento de nossas vidas, quase todos nós acabamos nos relacionando com alguém que é totalmente errado para nós. Talvez alguém que não gosta das mesmas coisas que gostamos, não é tão sensível quanto precisamos, é muito sensível, tem um olhar não agradável, isso acontece com todos. Mas o ponto é quando o “por quê?” Começa a entrar em nossos pensamentos … quando acontece uma e outra vez, com um relacionamento após o outro.
Você pode classificar como má sorte, ou se convencer de que há algo com você, mas a verdade é que há uma razão pela qual muitas vezes somos atraídos para pessoas que são totalmente e completamente erradas para nós. Shelly Bullard, uma terapeuta de casamento e família, diz que é porque a sua versão mais danificada e ferida, é quem está fazendo a escolha.
terapeuta explica porque somos atraídos2
Bullard acredita que todos nós temos dois eus: o “pequeno eu”, ou o eu ferido, do ego – e o “eu espiritual” – o eu superior, eu adulto, ou alma. Ela explica que o eu ferido é a parte de você que sente-se incompleta. Ela questiona o seu valor, não se sente completamente inteira, se sente falha de alguma forma.
Ela vê o Eu Espiritual como seu eu superior, a sua alma. É a parte de você que está ligada ao amor, verdade, sabedoria e paz interior. Seu eu espiritual não questiona o seu valor. Ele sabe, sem dúvida, queão amável e valioso você é.
Nós operamos diariamente em um desses dois eus. O ponto de vista do ego, ou o pequeno eu, nos faz sentir-nos inferiores, insignificantes e até impotentes em alguns aspectos, e encontramo-nos constantemente lutando contra este sentimento. O ego procura maneiras materialistas para encontrar validação. Ele acredita que uma vez que tiver mais (dinheiro, um emprego melhor, um parceiro melhor, uma casa maior) vai finalmente ser feliz. Mas nunca é feliz, porque a natureza do ego é sentir-se incompleto. Operando a partir deste eu, você sempre sente que algo está faltando.
Quando se trata de relacionamentos românticos, o ego é ativado, porque nos relacionamentos nos apegamos mais a dor ou somos mais feridos. Quando somos magoados por uma relação, tendemos  carregar isso conosco, e por sua vez, atraímos pessoas que irão destacar o mesmo sentimento. Bullard, explica: “O seu inconsciente está programado para atrair pessoas que ativam seus ferimentos. A razão para isso é que você irá crescer. ”
Nós revivemos nossas feridas, para que possamos finalmente chegar ao processo de cura. Nós não podemos curar coisas que não sentimos ou vemos. Precisamos lidar com a sensação dolorosa ou desconfortável, a fim de superá-la.
terapeuta explica porque somos atraídos3
Então, como podemos quebrar este ciclo? Bullard acredita que precisamos identificar com nosso eu superior. “Seu eu superior é a parte que sabe a verdade sobre você”, diz ela, “Ele sabe que você é digno, incrível, capaz e poderoso … através da lente do eu superior, você está completo.”
De repente você vai perceber que todas as pessoas “erradas” que encontrou, tiveram o papel de te colocarem na direção certa, um estado de espírito que não põe em causa o seu valor. Bullard nos impele a curar nossos relacionamentos de dentro para fora, porque às vezes, nada inspira-nos a crescer mais do que um coração partido.

domingo, 25 de março de 2018

A psicologia explica: Porque só valorizamos o que não temos?

Não damos valor a quem nos ama


Não foi por coincidência que eu escolhi esse tema. Na verdade ele sempre me intrigou bastante. É incrível e chega até a ser inexplicável a reação de alguns seres humanos diante do amor, carinho e atenção que lhes são ofertados. Sempre me pareceu absurdo que alguém preferisse o desprezo ao invés do reconhecimento do outro, mas infelizmente tenho a difícil missão de afirmar que essa muitas vezes é a grande e inaceitável verdade. Como entender que uma pessoa não consiga enxergar àquela que a ama, e, no entanto, supervaloriza uma outra que age sempre de forma egoísta e em prol de si mesmo? Como encarar a dura realidade de que só os maus recebem recompensa (o amor) por suas atitudes mesquinhas? Suponho que muitos já se perguntaram isso em algum momento da vida, ou até mesmo estejam ainda a se questionar. Confesso que faço isso o tempo inteiro. Chego a me assustar com a complexidade da mente humana. Fazendo uma comparação ordinária, eu a chamaria de máquina inversora de processar sentimentos. Você admira pessoas com quem nem ao menos conviveu, mas é incapaz de perceber o valor de alguém que se sacrificaria por você. Parece um tanto taxativo aquela sempre atual história: “Só dar valor depois que perde!”. Porém esse é um fato verídico e inquestionável. A perda traz à tona a importância do outro, a necessidade. Isso estende-se a tudo. A casa do vizinho é uma mansão, a namorada do seu amigo é tão linda e tão legal, o trabalho daquele colega da faculdade é incrível, os pais de fulano são tão liberais. Perceba que eu não fiz comparações, e não foi por acaso; quis deixar explícito que as pessoas nem ao menos citam os defeitos que o outro tem, porque elas esquecem completamente que ele está lá. É como se ele fosse invisível; e é assim que se sente. Só se descobre o valor de uma pessoa quando já não se tem mais ela por perto? E do que vale enxergar alguém, quando este já não faz mais parte da sua vida? Não espere chegar o momento em que sentirá vontade de abraçar essa pessoa sem poder fazê-lo. Não deixe pra se dar conta do quanto você a ama quando já não puder mais viver esse amor.
Valorizar é antes de tudo enxergar o outro, pra que depois possa reconhecer as suas qualidades, a sua força, o seu vigor, a sua importância e acima de tudo o seu esforço.
ABRA OS OLHOS DA ALMA!

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Quais desculpas você usa para não ser feliz ?

Deus cura, desde que você se dê a oportunidade de cura,  Deus pode mudar sua vida, desde que você esteja disposto a começar a mudança, Deus pode fazer milagres, desde que você fique atento as oportunidades que recebe. Um dos grandes erros da humanidade é colocar nas mãos de Deus as desculpas para não irmos  atrás dos sonhos, das mudanças.
Todos os dias é nos dado oportunidades de começar  de novo, todos os dias  temos chances de fazer diferente, sermos diferente, ser a diferença , porém inconscientemente  , por medo de sairmos  da zona de conformo, ou sairmos  do caos , interior que vivemos, temos medo de remexer na bagunça , interior de nos reorganizar, e com isso  vamos juntando lixos emocionais, e quanto mais o tempo passa , mais lixo vamos acumulando, e também  encontraremos  maiores  dificuldades de nos livrarmos dele, e sempre usamos uma frase clichê  : DEUS SABE O QUE FAZ !!! , e sabe mesmo !! ,  quem não sabe como  fazer as coisas somos nós, colocamos    as responsabilidades nele pelas nossas estagnações, 'o tudo no tempo de Deus virou uma muleta ,  com isto  deixamos de ir a luta. Tudo tem um tempo determinado por  Deus, não há duvidas, mas tudo precisa ter um começo, e o começo é fazer a faxina, retirar os entulhos da alma oxigenar a mente, livrar mos, dos amores não correspondido, dos sentimentos de ódios, rancor, medo, insegurança e auto fracasso, livrarmos  de tudo que acarreta peso a alma, de sentimentos doentios, tendo coragem de ir no fundo do baú e encontrar tudo que foi marcas negativas , retirar, limpar.
Parar de mentir para si mesmo e para os outros, dar desculpas, quando na verdade, ninguém  tem culpa de guardarmos  sentimentos, muitas vezes quem nos causou dor, tristeza, já foi embora a muito tempo, e cá estamos nós, vivendo de amarguras, com medo, de tudo e de todos, enquanto isso o outro já se livrou de nós, das lembranças, das saudades, e esta seguindo a vida  e nós aqui, sofrendo por coisas que  não ditas, por coisas que não vivemos, carregamos a dor, a angustia a tristeza, enquanto o outro nem se quer lembra da nossa existência, e nos mantemos velando um sentimento que nos adoece, e negamos para nós mesmo , a nossa incapacidade, de sair do velório e irmos  de encontro ao novo, a vida, a renovação, Enquanto isso o tempo passa, as coisas mudam, a vida segue, e quem fica no mesmo lugar, na mesma tecla somos nós.. E novamente botamos a responsabilidade da nossa felicidade em DEUS, mas Deus nos dá, todos os dias as oportunidades, ele não tem culpa se nos falta coragem, ele já nos deu inteligência, sabedoria, entendimento, Deus já fez a parte dele . E nesse tempo, se constrói vitimas, porque a tendência é enganar, a si mesmo e qualquer pessoa com quem  relacionarmos  seja no trabalho, amigos, amores,
Antes de colocar as responsabilidades em Deus, temos que fazer a nossa parte, buscar orientação divina, não é assinar seu próprio atestado de óbito . Estamos no "supermercado das lamentações" e aqui você encontra prateleiras recheadas de ofertas, desculpas e mais desculpas como as mais vendidas:


__ "Sou infeliz porque meu marido não gosta mais de mim"
__ “Não dá para ser feliz com este chefe que eu tenho”
__ "Depois que arrumou uma namorada, meu filho não me ama mais como antigamente"
__ "Acho que meu namorado não gosta mais de mim ,já não me trata como antes..."

Em super oferta, em até 10 x no cartão, a campeã de vendas:

__"Meus pais não me entendem, por isso sofro demais"

Mas, tem mais, aproveite o "bacião de ofertas":

__"Não consigo firmar nenhum relacionamento, o problema deve ser comigo"
__"Minha saúde vive debilitada desde que me separei"

Quer levar alguma desculpa em oferta?
Ou quem sabe quer aproveitar e descobrir o óbvio: 
Sua felicidade está nas suas mãos.

Ninguém pode decidir por você, por isso o médico pergunta para você onde dói, ao invés de tentar descobrir por adivinhações.
Vai, crie coragem e assuma as suas deficiências pare de jogar a culpa das suas frustrações nos outros. Procure dentro de você a libertação das possibilidades que habitam em você e acabe descobrindo essa verdade:

Todo mundo tem um dom, um talento.
Então, é só aplicar-se naquilo que você tem de melhor. 
Não precisa inventar nada, nem fantasiar, nem querer ser o que você não é. 
Faça direitinho o básico, e alimente-se dos bons pensamentos, das boas energias, espelhe-se nas pessoas de sucesso, mas não se compare, você é único, e isso é muito bom, pois o mundo precisa de pessoas como você, que sabem fazer o que você faz, mesmo que você não acredite que fazer crochê vale a pena, varrer rua bem varrida é uma maravilha, aquele bolo de fubá que só você faz, aquela planilha no Excel que você simplificou, aquela cirurgia que você reinventou, e qualquer coisa que você faça com amor.

Por falar em amor, quanto você se ama?

Se você ainda está procurando culpados pelo seu fracasso, pela sua infelicidade, pode apostar que você não se ama o suficiente, pois aquele que descobre o amor próprio consegue amar o próximo, o distante, o longínquo e qualquer outra pessoa.
hega de desculpas, a vida pede uma atitude, não uma desculpa.

Ame-se, encontre-se e seja feliz!



Hosana  Mairik


domingo, 14 de janeiro de 2018

Como recomeçar depois do fim

Tenho ouvido com uma certa frequência das pessoas que elas tem perdido a capacidade de se comunicar com seus sentimentos mais honestos e profundos. Normalmente se queixam que estão assim em decorrência de um amor não correspondido ou de uma situação de traição, quebra de confiança ou agressão.
“As vezes fico tentando me lembrar daquela pessoa com quem vivi momentos especiais só para voltar a ter aquela sensação de pureza e entrega. Tenho medo de nunca mais voltar a sentir isso de novo!”

Essa frase é honesta e vem acompanhada de um desassossego em função de novos relacionamentos amorosos. Parece que se tornam impenetráveis, sentem aquela nova relação como se fosse algo improvisado e nunca definitivo.

Se esqueceram como é amar. Amor profundo!

Foram emocionalmente sequestradas por um fracasso no amor.

É como se estivessem gritando por dentro: “Tenho saudades de mim!”

As vezes ficam solteiras por muito tempo, congeladas emocionalmente. Conseguem administrar bem os desejos sexuais com transas ocasionais, mas no fundo, trocariam todas as melhores transas por aquela sensação de amor especial.

“Nao consigo mais me apaixonar! Nem que eu queira. Já tentei, me esforcei, a pessoa era ótima, mas parece que algo não anda dentro de mim.”

Curiosamente se tornam pessoas “quebradoras de coração”. Encantam, seduzem, envolvem, falam coisas especiais, mas todas elas vazias de uma real intenção amorosa.

“Eu me esforço, tento me envolver, até faço planos, mas algo dentro de mim ficou oco.”

As vezes vão atrás da última pessoa por quem sentiram algo especial. Ao se deparar com a pessoa percebem que não é ela e que mesmo com aquela pessoa nada mais aconteceria.


Quando o vi de novo, meu coração bateu mais forte, achei que poderia vivenciar tudo de novo. Mas foi só uma miragem, transamos e no dia seguinte eu estava de novo com aquela pedra de gelo incômoda instalada no meu peito de novo.”
Sentem como se estivessem mortas, frias e indiferentes ao sentimento dos outros.
O medo de se machucar criou uma armadura em torno de seu coração.
A saída nem sempre é fácil. Ficou claro que não basta que a pessoa tente resgatar aquela pessoa do passado. Nem adiantaria voltar no tempo.
O grande treino é voltar lentamente a assumir pequenos riscos pessoais.
Sair daquela zona de conforto emocional, ousar um pouco mais. Conseguir insistir mesmo que a dor comece a surgir. Não esperar que algo seja garantido para experimentar uma emoção consistente.
A garantia de que não haverá mais machucado não existe. Portanto, ausência de dor não é um critério. Mas caminhar apesar da dor e do medo.
A vulnerabilidade não é uma fraqueza, mas uma força. Agir à partir da vulnerabilidade devolve a você algo que está mais próximo de um sentimento real. Ser “forte” é agir de modo desgovernado, com orgulho, sem consistência, experiência garantida de desamor.
O risco de ser vulnerável coloca você diante de sentimentos ambíguos, confusos e até contraditórios, no entanto, que movimentam muito mais sua vida emocional. Se parecem frágeis é somente pelo fato de que remetem você à fases da vida onde havia muito mais disponibilidade emocional.
A força vem da verdade do que se sente, mais do que da segurança de não sofrer.
Antes de desistir e deixar seu coração em baixas temperaturas, entenda que nisso a única pessoa que sai perdendo é você.’
Ame como se nunca tivesse sido ferida antes!


Texto Frederico Matos psicólogo
adaptação Hosana mairik


terça-feira, 26 de setembro de 2017

Vida que segue

Eu sei que, como eu, você também gostaria de entender os acontecimentos da vida. Às vezes tudo caminha bem, aparentemente a felicidade pousa como uma borboleta delicada, mas o vento vem e ela voa para bem longe, o dia vira noite e tudo se torna um caos.
Por muitas vezes parei para refletir sobre as respostas das pessoas e me fiz mais perguntas. Por vezes, acordei à noite querendo entender o porquê das coisas que ninguém conseguiu me dar respostas. Por vezes, me angustiei sozinha querendo ser compreendida na minha solidão, nos meus sentimentos, que nunca alguém me explicou porque estava sentindo.
Quantas vezes olhei todas as pessoas, principalmente quando estou rodeada de muita gente, como numa câmera lenta, via, mas não ouvia, meu olhar se perdia querendo entender por que estava ali, que sentido tinha a minha vida, a minha existência?
Quando era criança, quando me sentia uma alienígena nesse mundo, me escondia dentro do guarda-roupa, ou numa árvore do quintal, era tão reconfortante me sentir sozinha e sem ser achada… Mas a gente cresce e tem que enfrentar a vida.
Entender a vida é talvez a coisa mais difícil desse mundo. São tantos projetos envolvidos, tantas pessoas, tantos sonhos, tantas desilusões, tantas aventuras… Nos tornamos atletas de cair e levantar, algumas vezes saímos ilesos; na maioria, não.
É uma vontade de gritar, de chorar, de perguntar… Mas aprendemos desde pequenos que isso não era devido, engolimos o choro, abafamos nossa voz, aceitamos nossas incertezas, como quem engole, a contra gosto, um comprimido de analgésico.
Não sei você, mas minha cabeça me faz tantas perguntas… Será que todo mundo é assim? Ou a vida é uma bagunça, um rolo de linha desalinhada pelo gato do destino, ou um vendaval de emoções sobre o qual ninguém nos perguntou se estávamos prontos para passar, além de arrastar casas, pessoas e, por que não, parte de nós mesmos?
Até agora aprendi que viver é um jogo de ganha e perde. Ganhamos aqui, perdemos ali. Toda decisão estará vinculada a ganhar e perder algo. Só isso explica tanta gente sem atitude! Só isso explica porque as pessoas desistem de um amor verdadeiro, de realizar um sonho, de acreditar em si mesma ou de ser apenas felizes!!!
Esse emaranhado, que é viver, por mais que tenhamos uma ideia do que queremos, sempre nos coloca à prova, seja quando encontramos um grande amor, uma magnífica oportunidade pessoal ou profissional, a realização de um sonho… Quando nos deparamos com algo que realmente pode mudar nossa vida, vem a vida de novo, e nos vira do avesso, poderia ser comédia, não fosse um drama!
Por isso, larguemos mão, minha gente, de tentar entendê-la. A vida é assim, uma bagunça organizada, um caminho cheio de curvas e com diferentes destinos, um passeio sem roteiro, uma ida sem retorno, um voo no escuro, uma queda livre com paraquedas, que pode ou não abrir, um mergulho no mar aberto, uma capotada sem carro, uma escalada no Everest sem corda para apoiar, um dia após o outro… Vida que segue  


domingo, 17 de setembro de 2017

COMO IDENTIFICAR UM HOMEM PROBLEMÁTICO E SEM AUTOESTIMA


a
Pessoas sem autoestima em geral são problemáticas. Ou seja: Tornam-se motivo muito mais de dissabores que de felicidades para aquelas que convivem com elas. Por esta razão ( e muitas outras!) é interessante saber detectar rapidamente os sintomas típicos daqueles que por falta de autoestima não são o modelo mais adequado de companheiro (ou companheira) para se ter ao lado. Antes de mostrar as caracteristicas que sintomaticamente nos ajudam a identificar e evitar estas pessoas, vou descrever as razões porque o convivio com elas em geral é complicado e díficil.

A falta de autoestima é uma chaga do nosso século... e que deixa muias cicatrizes em diversas pessoas lá fora com quem convivemos. Digo diversas porque ao meu ver 80% delas sofre de graus menores ou maiores de falta de autoestima e não sabem. As origens da falta de auto estima, que é por definição o julgamentto que fazemos de nós mesmos e o valor que consequentemente atribuimos a si próprios, são bem claras: Quando convivemos com pessoas sem auto estima, ou que não nos tratam com respeito e amor, é certo que isso vai se integrar a nossa personalidade, criando a ideia de que também não merecemos amor e não temos valor. Uma criança que não é amada por seus pais, ou tratada de forma ausente (e impaciente) tende a se ver como desmereceçora de amor e valor, e ai se torna mais uma cidadão/cidadã sem auto estima. 2 formas de manifestação desta autoestima se seguem: Ou ela se manifesta de forma agressiva ou de forma passiva/submissa. Ou você terá um menino/menino reagindo de forma agressiva e explodindo a toda hora, sem aceitar contrariedades, por achar que corre o risco de não ter seus desejos satisfeitos, ou terá um garoto/garota que nem sequer arrisca o que quer, por achar que já perdeu por antecedencia o que pleiteia! O jovem que é amado e valorizado e desenvolve a autoestima, em geral opta por pedir com calma e firmeza, e ver a rejeição não como um problema dela (nela!) mas como um fato normal, uma opção possível (na vida!).
Agora veja: se você repete um comportamento por anos você o reforça, no caso da falta de autoestima isso também é verdade. Portanto não são poucos os homens, prezada amiga que manifestam falta de autoestima de várias formas sem notar e machucando seriamente outras mulheres e outras vidas (as dos filhos por exemplo). Logicamente procurar apóiar e amar a pessoa que sofre destes comportamentos seria em tese a atitude mais "solidária", contudo da sua parte a mais "solitária" , porque no calor do dia a dia da vida, isso nem sempre não é possivel... e reduzir o risco de aborrecimentos identificando (logo!) escolhendo a pessoa mais bem resolvida possível, é indispensável! Eis aqui alguns sintomas típicos do homem portador da sindrome da falta de autoestima:


Impaciencia: Toda pessoa que não tem autoestima pode manifestar este traço de comportamento atráves da impaciencia. Ela é no fundo fraca e não se acha capaz de pelo argumento conseguir o que deseja, a consequencia é tentar antecipar o resultado do "jogo" atráves do golpe baixo da agressividade (em geral verbal depois até física!) e da intimidação. Se ele é sistematicamente e frequentemente assim... fique atenta e desconfie!

Desinteresse: O Portador de falta de autoestima, em sua forma mais agressiva, também se mostra desinteressado pela parceira. Ele que já foi vitima do desinteresse de terceiros na infancia e adolescencia, tenta inconscientemente devolver (e descontar!) o desinteresse que sofreu. Está dando o que recebeu, e no "jogo" do amor, quem não foi amado dificilmente é capaz de amar, Se ele com frequencia teima em não prestar atenção no que você faz (de bom e importante), pode ter certeza de que pra ele isso realmente não é importante... Tolere até um certo ponto, mas a partir de outro, tome uma atitude, afinal o seu valor existe independentemente de ser enxergado ou não mas nem por isso mereçe ser ignorado ou subreconhecido!

Estar sempre certo: Quantas pessoas lá fora não se comportam como se estivessem sempre certas? Estes talvez sejam os piores... (Para convivio), porque tornam a vida do outro um inferno, batem na autoestima dele, e ainda o arrastam para precipios e erros! Quem acha que está sempre certo quase sempre sofre de falta de autoestima... e faz também o outro ao seu lado sofrer... Quero salientar que relação ou pessoa nenhuma vale o convivio com alguem com defeitos de personalidade graves ( como este por exemplo!), digo isso porque muitas mulheres aceita (por anos e anos...) o purgatorio do convivio com um homem sem valor e sem amor, por achar que sua imolação e sacrificio será avalista da cura dele. Isso não é verdade! ele não só, pode não mudar como você pode piorar! Numa relação afetiva como em qualquer coisa na sua vida vale a atitude e a coragem de decidir, em lugar de ser refem das decisões e desequilibrios dos outros!

Quero encerrar deixando claro que todo homem machista é um fraco. Todo ser humano que reage agressivamente o faz por se sentir ameaçado e a necessidade de controlar o outro (atráves do machismo), é uma delas... Quem não suporta o contrario, quem não sabe rir dos erros, quem não sabe levantar diante das adversidades, quem so sabe contruir sua força com base na fraqueza e infelicidade do outro é por natureza um fraco e consequentemente uma pessoa que não sabe valorizar a si próprio. Ela tem um problema de falta de autoestima e não sabe ( ou sabe e prefere esconder!). Não falei neste texto do reverso da medalha da falta de auto estima que é o tipo acanhado e acuado (demais...) porque este causa danos "menos graves" que o tipo agressivo... ele é mais um problema para si proprio que para o outro, contudo se você sinceramente o ama, vale a pena reforçar com paciencia este amor e mostrar-lhe o seu valor. Mostre que há uma companheira e que a relação so tem sentido quando os dois se abraçam e apoiam, afinal você pode não ter criado os seus comportamentos, mas é capaz de muda-los e melhora-los! Para sua felicidade e a felicidades dos que com você convivem!

O AMOR EDIFICA

O amor edifica. Palavra transposta que nos foi emprestada de um outro meio. Aquele que edifica constrói, mas não basta construir par...