quinta-feira, 26 de abril de 2018

O Habito de mentir para si mesmo.. Autoengano






A palavra autoengano refere-se aos fenômenos relacionados a mentir para si mesmo. Esta é uma das grandes armadilhas da mente. O autoengano ocorre em situações onde convencemos a nós mesmos de uma realidade que é falsa, mas fazemos isso de forma inconsciente.
  • A diferença entre mentira e autoengano é que, na mentira, a pessoa está ciente de que não está dizendo a verdade, enquanto no autoengano aceita como verdade uma realidade que é falsa sem ter consciência disso
 

 
Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário
Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário




A palavra autoengano refere-se aos fenômenos relacionados a mentir para si mesmo. Esta é uma das grandes armadilhas da mente. O autoengano ocorre em situações onde convencemos a nós mesmos de uma realidade que é falsa, mas fazemos isso de for
forma inconsciente.
A diferença entre mentira e autoengano é que, na mentira, a pessoa está ciente de que não está dizendo a verdade, enquanto no autoengano aceita como verdade uma realidade que é falsa sem ter consciência disso.
Em outras palavras, quem mente para si mesmo não percebe o que está fazendo, e aí reside precisamente o poder do autoengano. Enquanto não percebemos, o autoengano manifesta o seu poder da sua maneira, que poderíamos classificar como silenciosa e camaleônica.
Existem diferentes tipos de autoengano, alguns mais frequentes do que outros. Além disso, cada um deles tem diferentes efeitos psicológicos. Citaremos aqui os quatro tipos mais comuns de autoengano e seus principais efeitos a nível psicológico.
1. Autoengano funcional
O autoengano funcional ocorre em situações que a pessoa mente para si mesma buscando se convencer de que a sua decisão está correta. O exemplo mais conhecido de autoengano funcional é encontrado na fábula da raposa e as uvas.
Nessa fábula, a raposa caracterizada pela sua astúcia é atraída por um suculento cacho de uvas e tenta alcançá-lo saltando repetidamente. Depois de algumas tentativas sem sucesso, a raposa para de tentar e enfrenta a sua frustração através do autoengano. Ela se convence de que não quer mais as uvas acreditando que não estavam suficientemente maduras.
O autoengano descrito na fábula da raposa e as uvas é chamado de autoengano funcional. Ele tem uma função muito clara (daí o seu nome): para a raposa o ato de mentir para si mesma é útil para evitar o desconforto que deriva do fracasso por não ter satisfeito a sua necessidade de alcançar as uvas.

Os problemas do autoengano funcional
O autoengano funcional é adaptável a curto prazo, mas a longo prazo não é positivo e nem benéfico. O efeito psicológico é alcançado porque a pessoa decide transformar uma verdade (não ser capaz de alcançar um objetivo) em uma mentira que a tranquiliza (a meta não vale a pena).
Segundo o psicólogo Giorgio Nardone, todas as boas intenções repetidas em excesso se tornam negativas e contraproducentes. Em outras palavras, tudo o que é funcional, se prolongado em excesso ou em grandes doses, produz o efeito oposto.
A pessoa que usa o autoengano funcional não desafia a si mesma e permanece dentro da sua zona de conforto de maneira constante. Ao invés de se preparar para adquirir as habilidades necessárias para alcançar os seus objetivos, para continua mentindo a si mesma acreditando que o que ela desejava já não é tão importante ou não vale a pena o esforço necessário.
“Mentir é um jogo de linguagem que precisa ser aprendido como
qualquer outro”.
 – Wittgenstein Ludwig –
2. Valorizar para acreditar
O autoengano chamado de “valorizar para acreditar” surge da necessidade de acabar com a dissonância cognitiva. Ele é caracterizado pela crença de que se algo custa muito dinheiro, tempo ou esforço, lhe damos mais valor do que para aquilo que não pagamos um preço tão alto. Por exemplo, valorizamos mais a permanência em um grupo que foi difícil conseguir entrar do que nos outros grupos.
Nas situações onde as pessoas precisam se esforçar muito para alcançar um objetivo, seja uma meta atraente ou não, a sua atenção é dirigida seletivamente a tudo que confirma que o seu objetivo é importante. Você acaba acreditando que o objetivo é importante para justificar o investimento. Caso contrário, aparece a dissonância cognitiva que citamos anteriormente.
De onde vem esse autoengano?
Psicologicamente os seres humanos não conseguem manter por muito tempo uma contradição entre o sistema cognitivo (crenças, pensamentos e ideias) e o sistema comportamental (ações, comportamentos), e o autoengano “valorizar a acreditar” ocorre como uma forma de resolver essa contradição.
O principal efeito psicológico deste autoengano é que a pessoa continua se esforçando para alcançar um objetivo que muitas vezes não se encaixa no seu sistema de princípios e valores. É uma ilusão que tem data de validade porque seu efeito não dura para sempre. A longo prazo, a pessoa geralmente acaba se conscientizando deste engano e se decepcionando de alguma forma.
3. O autoengano consolador
O autoengano consolador é a estrela dos autoenganos e é observado frequentemente em pessoas muito ciumentas. A mentira consoladora é observada em situações onde a pessoa coloca a culpa pela sua situação em um agente externo e sente pena de si mesma.
“Minha mãe me transmitiu o medo de cães” ou pensar que “eu sou muito ciumento porque o meu parceiro me dá motivos”, são exemplos do autoengano consolador. São pensamentos que a pessoa exterioriza frequentemente para encontrar consolo.

Assim, o autoengano consolador protege a autoestima e o ego. Nos faz acreditar que não somos culpados pelo que acontece e que somos vítimas da situação. Por um lado, isso é positivo, porque não somos 100% responsáveis ​​pelo que acontece conosco. Mas por outro lado, culpar os acontecimentos do passado e os fatores externos nos imobiliza diante das mudanças.
A armadilha do autoengano consolador
A mentira consoladora nos protege. Uma proteção que se mantém por muito tempo nos impede de crescer psicologicamente. O efeito psicológico deste autoengano é que ele nos impede de enfrentar os problemas que nos fazem sentir mal e confirma que é impossível superá-los.
4. Mentir para os outros para convencer a si mesmo
Uma das maneiras mais sutis de autoengano é mentir para os outros para convencer a si mesmo. São aquelas situações onde a pessoa conta as suas histórias, situações e percepções de forma distorcida. Inicialmente ela pode estar consciente desta pequena distorção da realidade, mas, gradualmente, a pessoa acaba sendo absorvida pela sua história e pelo personagem.
“Quem diz uma mentira não sabe a árdua tarefa que assumiu, porque será obrigado a inventar vinte mentiras a mais para sustentar a certeza da primeira”.
 – Alexander Pope –
Se este mecanismo de mentir para os outros se repete várias vezes, a mentira acabará se transformando em verdade, inclusive para quem a criou. Uma possível explicação para esse fenômeno é que o cérebro se adapta à desonestidade e à mentira que é experimentada como uma realidade.
É como se a pessoa se esquecesse de ter construído uma falsa verdade. Mesmo diante da evidência empírica da sua própria mentira, essas pessoas continuam negando a realidade, não por desonestidade, mas porque realmente acreditam nisso.
Ninguém está livre do autoengano. É um fenômeno psicológico muito comum e, até certo ponto, normal. Não mentir para si mesmo requer uma profunda reflexão pessoal. Mergulhar dentro de você mesmo, conhecer os seus valores, ideais e desejos é o primeiro passo para protegê-lo de qualquer autoengano e colocá-lo na direção das metas que você realmente gostaria de alcançar.


  HOSANA MAIRIK



quinta-feira, 19 de abril de 2018

O AMOR EDIFICA



O amor edifica. Palavra transposta que nos foi emprestada de um outro meio. Aquele que edifica constrói, mas não basta construir para edificar. Um homem que aumenta de um cômodo sua casa não propriamente a edifica. Tal termo parece, em nosso senso comum, mais construir para cima que apenas acrescentar. Se alguém, porém constrói uma casa baixinha, mas sobre um fundamento, dizemos que este edifica uma casa. Edificar parece ser, assim, “construir para o alto a partir de fundações”. (As obras do amor – Soren A. Kierkgaard). Implica que o trabalho seja feito desde o fundamento.                
E qual seria o fundamento, a base em que edificamos o amor no outro? Ora, o próprio amor! Aquele que ama, mesmo sem saber,  pressupõe que o amor esteja no coração da outra pessoa, e justamente por esta pressuposição edifica nela o amor, a partir da fundação. O amor edifica ao pressupor que o próprio amor esteja presente. E se tal amor não pode estar completamente presente em homem algum, é justamente por isso que se permite edificar. Há, porém, que se ter fundamento. Talvez por isso a Escritura diz ter o imprudente construído sem pôr as fundações. O homem, porém que escuta a Palavra e a põe em prática é semelhante àquele que construiu uma casa, mas “antes cavou bem”.

Não há nada que se possa fazer que seja essencialmente edificante nem tampouco alguma palavra dita que carregue consigo o poder de edificar. “Cada ser humano, pela sua vida, por seu comportamento, sua conduta diária, seu trato com seus iguais, suas palavras e suas expressões, deveria e poderia edificar, e o faria se o amor estivesse realmente presente nele.” Isto porque é a edificação exclusivamente característica

quinta-feira, 29 de março de 2018

Porque atraímos as pessoas erradas!!

Em algum momento de nossas vidas, quase todos nós acabamos nos relacionando com alguém que é totalmente errado para nós. Talvez alguém que não gosta das mesmas coisas que gostamos, não é tão sensível quanto precisamos, é muito sensível, tem um olhar não agradável, isso acontece com todos. Mas o ponto é quando o “por quê?” Começa a entrar em nossos pensamentos … quando acontece uma e outra vez, com um relacionamento após o outro.
Você pode classificar como má sorte, ou se convencer de que há algo com você, mas a verdade é que há uma razão pela qual muitas vezes somos atraídos para pessoas que são totalmente e completamente erradas para nós. Shelly Bullard, uma terapeuta de casamento e família, diz que é porque a sua versão mais danificada e ferida, é quem está fazendo a escolha.
terapeuta explica porque somos atraídos2
Bullard acredita que todos nós temos dois eus: o “pequeno eu”, ou o eu ferido, do ego – e o “eu espiritual” – o eu superior, eu adulto, ou alma. Ela explica que o eu ferido é a parte de você que sente-se incompleta. Ela questiona o seu valor, não se sente completamente inteira, se sente falha de alguma forma.
Ela vê o Eu Espiritual como seu eu superior, a sua alma. É a parte de você que está ligada ao amor, verdade, sabedoria e paz interior. Seu eu espiritual não questiona o seu valor. Ele sabe, sem dúvida, queão amável e valioso você é.
Nós operamos diariamente em um desses dois eus. O ponto de vista do ego, ou o pequeno eu, nos faz sentir-nos inferiores, insignificantes e até impotentes em alguns aspectos, e encontramo-nos constantemente lutando contra este sentimento. O ego procura maneiras materialistas para encontrar validação. Ele acredita que uma vez que tiver mais (dinheiro, um emprego melhor, um parceiro melhor, uma casa maior) vai finalmente ser feliz. Mas nunca é feliz, porque a natureza do ego é sentir-se incompleto. Operando a partir deste eu, você sempre sente que algo está faltando.
Quando se trata de relacionamentos românticos, o ego é ativado, porque nos relacionamentos nos apegamos mais a dor ou somos mais feridos. Quando somos magoados por uma relação, tendemos  carregar isso conosco, e por sua vez, atraímos pessoas que irão destacar o mesmo sentimento. Bullard, explica: “O seu inconsciente está programado para atrair pessoas que ativam seus ferimentos. A razão para isso é que você irá crescer. ”
Nós revivemos nossas feridas, para que possamos finalmente chegar ao processo de cura. Nós não podemos curar coisas que não sentimos ou vemos. Precisamos lidar com a sensação dolorosa ou desconfortável, a fim de superá-la.
terapeuta explica porque somos atraídos3
Então, como podemos quebrar este ciclo? Bullard acredita que precisamos identificar com nosso eu superior. “Seu eu superior é a parte que sabe a verdade sobre você”, diz ela, “Ele sabe que você é digno, incrível, capaz e poderoso … através da lente do eu superior, você está completo.”
De repente você vai perceber que todas as pessoas “erradas” que encontrou, tiveram o papel de te colocarem na direção certa, um estado de espírito que não põe em causa o seu valor. Bullard nos impele a curar nossos relacionamentos de dentro para fora, porque às vezes, nada inspira-nos a crescer mais do que um coração partido.

domingo, 25 de março de 2018

A psicologia explica: Porque só valorizamos o que não temos?

Não damos valor a quem nos ama


Não foi por coincidência que eu escolhi esse tema. Na verdade ele sempre me intrigou bastante. É incrível e chega até a ser inexplicável a reação de alguns seres humanos diante do amor, carinho e atenção que lhes são ofertados. Sempre me pareceu absurdo que alguém preferisse o desprezo ao invés do reconhecimento do outro, mas infelizmente tenho a difícil missão de afirmar que essa muitas vezes é a grande e inaceitável verdade. Como entender que uma pessoa não consiga enxergar àquela que a ama, e, no entanto, supervaloriza uma outra que age sempre de forma egoísta e em prol de si mesmo? Como encarar a dura realidade de que só os maus recebem recompensa (o amor) por suas atitudes mesquinhas? Suponho que muitos já se perguntaram isso em algum momento da vida, ou até mesmo estejam ainda a se questionar. Confesso que faço isso o tempo inteiro. Chego a me assustar com a complexidade da mente humana. Fazendo uma comparação ordinária, eu a chamaria de máquina inversora de processar sentimentos. Você admira pessoas com quem nem ao menos conviveu, mas é incapaz de perceber o valor de alguém que se sacrificaria por você. Parece um tanto taxativo aquela sempre atual história: “Só dar valor depois que perde!”. Porém esse é um fato verídico e inquestionável. A perda traz à tona a importância do outro, a necessidade. Isso estende-se a tudo. A casa do vizinho é uma mansão, a namorada do seu amigo é tão linda e tão legal, o trabalho daquele colega da faculdade é incrível, os pais de fulano são tão liberais. Perceba que eu não fiz comparações, e não foi por acaso; quis deixar explícito que as pessoas nem ao menos citam os defeitos que o outro tem, porque elas esquecem completamente que ele está lá. É como se ele fosse invisível; e é assim que se sente. Só se descobre o valor de uma pessoa quando já não se tem mais ela por perto? E do que vale enxergar alguém, quando este já não faz mais parte da sua vida? Não espere chegar o momento em que sentirá vontade de abraçar essa pessoa sem poder fazê-lo. Não deixe pra se dar conta do quanto você a ama quando já não puder mais viver esse amor.
Valorizar é antes de tudo enxergar o outro, pra que depois possa reconhecer as suas qualidades, a sua força, o seu vigor, a sua importância e acima de tudo o seu esforço.
ABRA OS OLHOS DA ALMA!

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Quais desculpas você usa para não ser feliz ?

Deus cura, desde que você se dê a oportunidade de cura,  Deus pode mudar sua vida, desde que você esteja disposto a começar a mudança, Deus pode fazer milagres, desde que você fique atento as oportunidades que recebe. Um dos grandes erros da humanidade é colocar nas mãos de Deus as desculpas para não irmos  atrás dos sonhos, das mudanças.
Todos os dias é nos dado oportunidades de começar  de novo, todos os dias  temos chances de fazer diferente, sermos diferente, ser a diferença , porém inconscientemente  , por medo de sairmos  da zona de conformo, ou sairmos  do caos , interior que vivemos, temos medo de remexer na bagunça , interior de nos reorganizar, e com isso  vamos juntando lixos emocionais, e quanto mais o tempo passa , mais lixo vamos acumulando, e também  encontraremos  maiores  dificuldades de nos livrarmos dele, e sempre usamos uma frase clichê  : DEUS SABE O QUE FAZ !!! , e sabe mesmo !! ,  quem não sabe como  fazer as coisas somos nós, colocamos    as responsabilidades nele pelas nossas estagnações, 'o tudo no tempo de Deus virou uma muleta ,  com isto  deixamos de ir a luta. Tudo tem um tempo determinado por  Deus, não há duvidas, mas tudo precisa ter um começo, e o começo é fazer a faxina, retirar os entulhos da alma oxigenar a mente, livrar mos, dos amores não correspondido, dos sentimentos de ódios, rancor, medo, insegurança e auto fracasso, livrarmos  de tudo que acarreta peso a alma, de sentimentos doentios, tendo coragem de ir no fundo do baú e encontrar tudo que foi marcas negativas , retirar, limpar.
Parar de mentir para si mesmo e para os outros, dar desculpas, quando na verdade, ninguém  tem culpa de guardarmos  sentimentos, muitas vezes quem nos causou dor, tristeza, já foi embora a muito tempo, e cá estamos nós, vivendo de amarguras, com medo, de tudo e de todos, enquanto isso o outro já se livrou de nós, das lembranças, das saudades, e esta seguindo a vida  e nós aqui, sofrendo por coisas que  não ditas, por coisas que não vivemos, carregamos a dor, a angustia a tristeza, enquanto o outro nem se quer lembra da nossa existência, e nos mantemos velando um sentimento que nos adoece, e negamos para nós mesmo , a nossa incapacidade, de sair do velório e irmos  de encontro ao novo, a vida, a renovação, Enquanto isso o tempo passa, as coisas mudam, a vida segue, e quem fica no mesmo lugar, na mesma tecla somos nós.. E novamente botamos a responsabilidade da nossa felicidade em DEUS, mas Deus nos dá, todos os dias as oportunidades, ele não tem culpa se nos falta coragem, ele já nos deu inteligência, sabedoria, entendimento, Deus já fez a parte dele . E nesse tempo, se constrói vitimas, porque a tendência é enganar, a si mesmo e qualquer pessoa com quem  relacionarmos  seja no trabalho, amigos, amores,
Antes de colocar as responsabilidades em Deus, temos que fazer a nossa parte, buscar orientação divina, não é assinar seu próprio atestado de óbito . Estamos no "supermercado das lamentações" e aqui você encontra prateleiras recheadas de ofertas, desculpas e mais desculpas como as mais vendidas:


__ "Sou infeliz porque meu marido não gosta mais de mim"
__ “Não dá para ser feliz com este chefe que eu tenho”
__ "Depois que arrumou uma namorada, meu filho não me ama mais como antigamente"
__ "Acho que meu namorado não gosta mais de mim ,já não me trata como antes..."

Em super oferta, em até 10 x no cartão, a campeã de vendas:

__"Meus pais não me entendem, por isso sofro demais"

Mas, tem mais, aproveite o "bacião de ofertas":

__"Não consigo firmar nenhum relacionamento, o problema deve ser comigo"
__"Minha saúde vive debilitada desde que me separei"

Quer levar alguma desculpa em oferta?
Ou quem sabe quer aproveitar e descobrir o óbvio: 
Sua felicidade está nas suas mãos.

Ninguém pode decidir por você, por isso o médico pergunta para você onde dói, ao invés de tentar descobrir por adivinhações.
Vai, crie coragem e assuma as suas deficiências pare de jogar a culpa das suas frustrações nos outros. Procure dentro de você a libertação das possibilidades que habitam em você e acabe descobrindo essa verdade:

Todo mundo tem um dom, um talento.
Então, é só aplicar-se naquilo que você tem de melhor. 
Não precisa inventar nada, nem fantasiar, nem querer ser o que você não é. 
Faça direitinho o básico, e alimente-se dos bons pensamentos, das boas energias, espelhe-se nas pessoas de sucesso, mas não se compare, você é único, e isso é muito bom, pois o mundo precisa de pessoas como você, que sabem fazer o que você faz, mesmo que você não acredite que fazer crochê vale a pena, varrer rua bem varrida é uma maravilha, aquele bolo de fubá que só você faz, aquela planilha no Excel que você simplificou, aquela cirurgia que você reinventou, e qualquer coisa que você faça com amor.

Por falar em amor, quanto você se ama?

Se você ainda está procurando culpados pelo seu fracasso, pela sua infelicidade, pode apostar que você não se ama o suficiente, pois aquele que descobre o amor próprio consegue amar o próximo, o distante, o longínquo e qualquer outra pessoa.
hega de desculpas, a vida pede uma atitude, não uma desculpa.

Ame-se, encontre-se e seja feliz!



Hosana  Mairik


O Habito de mentir para si mesmo.. Autoengano

A palavra autoengano refere-se aos fenômenos relacionados a mentir para si mesmo. Esta é uma das grandes armadilhas da mente. ...